baner
Iniciativas Estratégicas do GEF SGP

Conservação da paisagem terrestre comunitária

Durante a Fase Operacional 6 (OP6), o SGP apoiará iniciativas em ecossistemas importantes utilizando uma abordagem de conservação inovadora, ou seja trabalhará em paisagens (marinha e terrestre), identificadas no documento de Estratégia de Programa do País.
Na abordagem paisagística (marinha e terrestre), o SGP apoiará parceiros proponentes da sociedade civil com subvenções, de forma a multiplicar os esforços globais e locais de conservação da biodiversidade e a agro-biodiversidade.
Estas ações deverão necessariamente ter um caráter integrador, ou seja deverão responder a uma ou mais temáticas ou áreas focais do GEF, e ao mesmo tempo serem portadoras de componentes de inclusão social, aumento de rendimento, capacitação e agregação de valor a produtos.
O papel do SGP neste âmbito será o de promover a união de esforços a nível local e comunitário, coordenar as ações de gestão de habitats críticos, marinhos, costeiros e terrestres, assim como gestão integrada de recursos hídricos, previamente identificadas em concertação mútua.

 

Agroecologia inovadora inteligente em termos climáticos

O nicho do SGP sob esta componente focalizar-se-á em zonas de amortecimento dos ecossistemas críticos identificados, assim como em corredores florestais em perigo de fragmentação, geralmente remotas e inatingíveis por outros doadores.
Pequenas subvenções nesta iniciativa serão aplicadas em sinergia com a gestão sustentável do espaço rural e com programas de agricultura inteligente em termos climáticos, promovendo o uso de fertilizantes de base orgânica para melhorar a produtividade do solo, aumentando a segurança alimentar e contribuindo para a redução da degradação de solos.
O SGP promoverá ainda nesta componente o reforço das capacidades de pequenos agricultores na identificação de problemas específicos, assim como na busca de soluções a nível local.
Os esforços do SGP deverão ser mesurados com o aumento da conectividade ecológica, reduzindo a fragmentação de florestas e melhorando os valores da biodiversidade florestal a nível paisagístico, através da implementação de boas práticas de gestão por parte dos pequenos silvicultores, e silvicultura de base comunitária.

 

Co benefícios do acesso a energia de baixo teor de carbono

Nesta componente, o SGP pretende oferecer soluções energéticas de baixo custo e que oferecem um grande potencial à redução de emissões de carbono, incluindo pequenos sistemas hídricos e bioenergéticos de resíduos e fogões eficientes.
Estes esforços contribuirão para os objetivos de alterações climáticas do GEF, que incluem "apoio às iniciativas de acesso a energia a nível local, incluindo demonstrações e programas piloto para opções renováveis.
O SGP alinhará os seus esforços a um nível maior, o da Energia Sustentável para Todos (Sustainable Energy for All, SE4ALL), a fim de facilitar a integração e crescimento proporcionais.
Estas soluções constituem uma parte crucial da "descarbonização", abordando as necessidades dos serviços de energia de comunidades rurais, urbanas que não estão atualmente ligadas a redes de energia central. Prevê-se que as soluções energéticas poderão também utilizar uma abordagem integrada, indo além do sector energético visando aumentar a resiliência climática, reduzir a pobreza, e diminuir as desigualdades.

 

Coligação local para global de produtos químicos

Esta componente será direcionada às comunidades rurais, onde a ameaça de exposição química é provavelmente maior, assim como nos consumidores. As atividades incluirão o apoio a soluções inovadoras e boas práticas para gestão de químicos, num esforço conjunto com os parceiros para a efetiva eliminação de Poluentes Orgânicos Persistentes.
Uma área que o SGP poderá explorar será o estabelecimento de sistemas de certificação de produtores locais e/ou dos seus produtos que poderão expandir para o nível nacional, através de acordos de produtor-consumidor.

 

Plataformas de diálogo entre CSO e governo

Visando a implementação efetiva dos objetivos do programa na OP6, mecanismos de apoio serão implementados com base na experiência do SGP. Um destes mecanismos é a criação de plataformas de diálogo entre Organizações da Sociedade Civil (OSC) e o governo.
As plataformas criarão espaços de diálogo e de confiança, poderão fomentar relações de trabalho conjuntos entre a sociedade civil e o governo em áreas-chave para o ambiente e políticas de desenvolvimento sustentável. Acredita-se que o diálogo ainda proporcionará consensos amplos, assim como compromissos presentes e futuros.

 

Inclusão social (género, juventude e populações indígenas)

O SGP assumirá esforços no sentido de apoiar uma maior inclusão social de grupos vulneráveis, incluindo mulheres, Pessoas com Deficiência (PCD), que podem e devem ter um papel importante na gestão ambiental.  
Durante a OP6, o SGP irá trabalhar para melhorar o apoio a grupos vulneráveis a fim de que se tenha um maior e amplo envolvimento dos menos privilegiados nos processos de decisão da gestão ambiental.
O SGP terá também como objetivo melhorar a integração de PCD em questões de mudanças climáticas e desastres naturais, em particular organizações de jovens ou associações representativas das PCD.

 

Contribuição para plataformas de gestão de conhecimento global

O SGP irá reforçar a partilha de conhecimentos a nível global através de uma iniciativa específica bifocal de gestão de conhecimento:
Uma "Biblioteca Digital de Inovações Comunitárias para o Ambiente Global" onde a prioridade será a disseminação de documentação de boas práticas e a transferência de competências técnicas, com potencial de replicação noutros países; e
Uma "Plataforma de Troca de Inovação de Comunidades Sul-Sul" com o objetivo de promover a troca de conhecimento entre os países inseridos no quadro do SGP, almejando reforçar as capacidades de inovações e práticas desenvolvidas por parceiros proponentes programa.